terça-feira, 1 de julho de 2014

Paulo Bento: «Prémios de carreira não dou»

Questionado em relação ao facto de os "índices de suspeição lesional" da Seleção terem estado mais elevados do que em anos anteriores, segundo as palavras de Henrique Jones, Paulo Bento adiantou os nomes dos jogadores que vinham com mais risco (Vieirinha, Éder, Postiga e Ronaldo), justificando tal facto com "as lesões que os jogadores tiveram durante a época".

"O Vieirinha só não foi utilizado porque entendi que não deveria ter sido, mas também porque houve outras condicionantes, essencialmente por causa dos problemas físicos no primeiro e segundo jogos. Mas acabou a competir sem problemas", recordou.

"O Postiga decidi tê-lo connosco. O nosso critério teve a ver com o fator maturidade e experiência, mas também por ser um jogador influente na nossa forma de jogar. Era um jogador em quem tínhamos confiança de que podíamos colocar em campo. Talvez não como primeira opção, mas em momento em que achássemos que merecia oportunidade", explicou, assegurando que Postiga vinha a "treinar normalmente" antes do jogo com os Estados Unidos. Mesmo assim, Bento deixa uma garantia quanto à chamada do avançado: "Prémios de carreira não dou!". "Levei os três pontas de lança que achava que melhor defendiam os interesses da seleção", assegurou.

Para 2016, Paulo Bento deixa uma garantia: "Não fecho as portas da seleção a ninguém". "Posso tomar opções que levam alguns a não vir e possam levar à chegada de outros. E não passa por uma questão de idade, porque fui criticado por não levar o Tiago e ele tem 33 anos. Será por outros fatores"...

Nenhum comentário:

Postar um comentário