quinta-feira, 6 de outubro de 2011

João Moutinho reconhece que os jogadores portugueses estão muito focados nos dois encontros, que são fundamentais

Pressão positiva.

João Moutinho garantiu que na Selecção Nacional “o ambiente é tranquilo e de confiança, apesar de os próximos jogos serem decisivos”. O médio sublinhou que os jogadores vivem agora “outro género de pressão, mas esta é boa, das que os jogadores gostam de sentir para poder vencer”.


O médio do FC Porto recordou que a qualificação para o EURO 2012 esteve em risco e relacionou a recuperação pontual com a entrada do treinador Paulo Bento.


“Já estivemos muito pior e o Paulo Bento pegou na Selecção numa situação muito difícil, tendo colocado a equipa ao seu melhor nível desde então”, disse o jogador do FC Porto, que falou aos jornalistas no Algarve, onde a “equipa de todos nós” prepara o encontro com a Islândia, na sexta-feira, de apuramento para o Europeu.


Moutinho relacionou as conquistas e a boa época no seio dos campeões nacionais às presenças regulares na Selecção: "Tenho conseguido, felizmente, a confiança dos treinadores e trabalho aqui como no meu clube, isto é, para ajudar e corresponder a essa mesma confiança”.


“Claro que tem ajudado o facto de jogar regularmente no FC Porto, tal como as vitórias conseguidas na excelente época que fizemos no ano passado”, disse o médio, que soma já 35 internacionalizações.


Sobre a fase decisiva da qualificação que culmina com o encontro na Dinamarca, na terça-feira, João Moutinho diz que "primeiro é preciso vencer a Islândia”, mas reconhece que os futebolistas portugueses estão “muito focados nos dois encontros, que são fundamentais”.


A propósito das diversas baixas entre os seleccionáveis (Coentrão, Pepe, Hugo Almeida, Sílvio e Danny), o jogador sublinha: “São excelentes jogadores, mas os que se encontram disponíveis têm o mesmo valor e jogarão aqueles que Paulo Bento entender que estão em melhores condições".


Ainda a propósito das escolhas, Moutinho afirmou que as decisões não podem satisfazer todos, “mas isso é normal”, e frisou que é preciso “trabalhar para o objectivo único, que é a Selecção Nacional”.


Por fim, apelou ao apoio massivo no Estádio do Dragão: “A Selecção é sempre muito acarinhada e apoiada, mas é sempre melhor jogar num estádio cheio, pelo que espero que as pessoas adiram”.


Após o jogo no Porto, contra a Islândia (21h00), que será dirigido pelo holandês Hendrikus Bas Nijhuis, a “equipa das quinas” desloca-se a Copenhaga para defrontar a Dinamarca, no dia 11, (terça-feira, 20:15), no último desafio do grupo H, que é liderado, neste momento, por Portugal, Dinamarca e Noruega (mais um jogo), todos com 13 pontos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário