quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Leonel Messi apontou a grande penalidade que deu a vitória à Argentina

Resultado enganador

Um penalty apontado por Lionel Messi, no último minuto do jogo de preparação entre Portugal e a Argentina, permitiu aos sul-americanos derrotarem a nossa Selecção, por 2-1, e infligir a a primeira derrota à Equipa das Quinas, desde que Paulo Bento assumiu o comando do conjunto luso.


Na partida desta quarta-feira, no Stade de Genève, na Suíça, pertenceu a Lionel Messi o primeiro lance de perigo, num cabeceamento improvável que saiu ligeiramente ao lado da baliza de Eduardo, após cruzamento de Ángel Di María que desviou em Bruno Alves. Messi voltou a assumir o protagonismo quando a Argentina inaugurou o marcador, aos 14 minutos: recolheu a bola no lado direito, flectiu para o centro do terreno e superou a investida de Raul Meireles antes de libertar Di María, que não perdoou à saída de Eduardo.


O guarda-redes do Genoa CFC negou logo a seguir o segundo tento aos argentinos, numa defesa aos pés de Messi na pequena área, antes de Sergio Romero desviar um cruzamento perigoso de Nani, mas Portugal – que não pôde contar com Bosingwa devido a queixas no joelho esquerdo depois do treino de véspera – chegou mesmo ao empate aos 21 minutos. João Pereira cruzou da direita, a bola bateu nas costas de Hugo Almeida e Cristiano Ronaldo foi mais rápido a atirar para o fundo das redes de Romero, fazendo o seu 26º tento em 80 jogos pela Selecção Nacional - Clube Portugal.


Antes do intervalo, Ezequiel Lavezzi rematou por cima no coração da área e depois do reatamento coube a Almeida desperdiçar excelente oportunidade, de cabeça, após boa jogada de Ronaldo. Aos 49 minutos, Almeida desviou um lançamento lateral para a trave de Romero e Ronaldo atirou por cima na recarga. Rui Patrício, que entretanto substituíra Eduardo, defendeu um livre directo de Messi antes de Almeida falhar o segundo tento de Portugal, ao errar a emenda à boca da baliza.


Já sem Ronaldo em campo, substituído a meio da segunda parte por Ricardo Quaresma, Patrício voltou a impedir a Argentina de marcar a 12 minutos do fim, ao defender o remate de Javier Pastore, isto após Marcos Rojo cabecear ao lado na pequena área. Pastore acertou na barra a seis do final, após livre de Messi e foi mesmo o Bola de Ouro de 2010 a ter a derradeira palavra aos 89 minutos, ao converter com exito o castigo máximo depois de Fabio Coentrão ter derrubado Manuel Martínez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário