segunda-feira, 11 de junho de 2012


Miguel Veloso só pensa na vitória diante da Dinamarca
Pensamento na vitória.

A Selecção Nacional voltou a trabalhar em Opalenica (Polónia), dois dias depois de ter jogado diante da Alemanha a primeira jornada do Grupo B do Campeonato da Europa Polónia/Ucrânia 2012 e a dois dias de novo encontro em Lviv (Ucrânia) diante da Dinamarca.


No apronto matutino, o Seleccionador Nacional contou com os 23 jogadores convocados. O avançado Hugo Almeida e o extremo Ricardo Quaresma regressaram assim aos treinos da formação lusa depois de terem recuperado de um síndrome gripal e de dores musculares, respetivamente.


Após o apronto, o extremo Nani e o "trinco" Miguel Veloso marcaram presença na habitual Conferência de Imprensa.


Esta tarde, uma comitiva da Federação Portuguesa de Futebol, constituída pelo Vice-Presidente, Humberto Coelho, o Diretor, João Vieira Pinto, e o Director Desportivo Carlos Godinho, vai ser recebida pelo Presidente de Opalenica, às 15h00 (16h00 locais).


A Equipa das Quinas volta a treinar na localidade polaca na terça-feira, às 8h00 (9h00 locais) antes de partir para Lviv, onde Paulo Bento vai antecipar o jogo com a Dinamarca agendado para quarta-feira, às 17h00 (19h00 locais), num encontro que será arbitrado pelo escocês Craig Thomson.


Dinamarqueses e alemães, que saíram vitoriosos da primeira ronda, lideram o Grupo B com três pontos, à frente de Portugal e Holanda, que ainda não pontuaram.


Jogar com a mesma atitude e empenho
Na Conferência de Imprensa, Nani lembrou que Portugal tem de ganhar na quarta-feira à Dinamarca para poder continuar a depender de si próprio no Euro 2012, mas recordou que os jogadores não são máquinas para ganhar a todos os adversários.


“O jogo com a Dinamarca é muito importante, porque sabemos que é um jogo que temos de ganhar, porque ao ganharmos ficamos numa posição confortável e continuamos a depender só de nós, porque depois há um Alemanha-Holanda”, reconheceu o extremo que referiu que os jogadores lusos estão a encarar a segunda jornada do Grupo B “com muita responsabilidade”.


O extremo alertou para o facto de os 23 futebolistas portugueses não serem “máquinas e sobredotados para ganhar a toda a gente” e mostrou-se confiante numa vitória frente à Dinamarca.


Nani acredita que a única coisa que Portugal precisa de mudar é acertar com a bola na baliza adversária: “Espero marcar, que a equipa marque, porque se jogarmos com mesma atitude e empenho, penso que marcando golos conseguimos ganhar”.


“Vamos ver nos próximos jogos. Pode ser que as bolas todas que chutamos possam entrar. É difícil nestas competições exigir muitos golos, só queremos os suficientes”, garantiu.


Nani referiu que a Dinamarca já mostrou que é uma equipa que sabe jogar, com jogadores perigosos na frente, e que não vai permitir a criação de espaços no início do jogo, numa atitude “inteligente” de uma Selecção que já tem três pontos e, por isso, não vai querer “ir para a frente à toa”.


Mas, para Nani, Portugal terá a capacidade de gerar espaços no decorrer do encontro e irá sobressair.


O marcador do único golo de Portugal em 2012 desvalorizou as derrotas recentes com os dinamarqueses, dizendo que “passado é passado” e agora cabe à Equipa das Quinas pensar no futuro.


Nani, que já chegou a ser utilizado no centro do terreno explicou que é junto às linhas que se sente melhor, mas mostra-se disponível para jogar onde for preciso.


“Tenho jogado na linha e penso que tenho feito a minha posição bem. Já joguei no meio, é uma posição em que me sinto bem, com muita liberdade e em que sou capaz de criar oportunidades e desequilibrar. O ‘mister’ decide e eu jogo onde ele quiser, desde que me sinta bem”, acrescentou.


“Temos de ganhar”
O médio Miguel Veloso defendeu que a palavra “perder” não pode entrar no pensamento da Selecção Nacional no jogo com a Dinamarca.


“A palavra perder não pode entrar no nosso pensamento. Temos de ganhar. Mas se perdermos já vimos equipas a passar com três pontos e há que acreditar até ao último momento”, respondeu o médio luso, quando questionado sobre se uma eventual derrota no jogo de quarta-feira significaria o fim do trajeto da Equipa das Quinas no Europeu.


Para Miguel Veloso, a Portugal falta apenas concretizar as oportunidades de golo que tem criado.


“A bola não quer entrar. Há que continuar a procurar essa sorte”, completou, garantindo que frente à Dinamarca a seleção vai entrar com a mesma atitude e empenho que apresentou frente à Alemanha.


Uma vitória com a Dinamarca pode, na opinião de Veloso, significar “uma reviravolta” no trajeto de Portugal no Euro 2012 e dar “ainda mais confiança” à equipa.


No entanto, o número quatro português recordou que é preciso estar consciente de que a Dinamarca é “uma equipa difícil”, mas cujos pontos fracos estão a ser estudados pela formação lusa.


“A Dinamarca defende com muitos jogadores atrás e depois tenta contra-atacar. A minha primeira missão é ajudar a defesa e com a Dinamarca, se jogar, é o que vou fazer”, assegurou.


Remetendo a manutenção da sua titularidade para as opções do Seleccionador Nacional Paulo Bento, Miguel Veloso revelou que nunca fica totalmente satisfeito com os jogos que realiza, como aconteceu com a Alemanha, por Portugal não ter sido capaz de alcançar os três pontos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário